segunda-feira, 31 de outubro de 2011

domingo, 30 de outubro de 2011

"Cálice" em homenagem solidária a LULA


Chico Buarque,Letra e música,Gilberto Gil-composição,Milton Nascimento-intérprete;

Transportes:Utentes da Carris criticam fim do período nocturno

por:DN.pt- Lusa-Hoje
A Plataforma das Comissões de Utentes da Carris criticou hoje a possibilidade de o Governo acabar com o serviço nocturno de autocarros, considerando que esta medida tem em vista a privatização da empresa e o despedimento de funcionários.

"A Plataforma das Comissões de Utentes da Carris deplora profundamente o facto de estarem em avaliação estudos neste sentido", lê-se num comunicado hoje enviado.

A possibilidade de a Carris acabar com as nove carreiras do serviço nocturno está a ser avaliada pelo grupo de trabalho criado pelo Governo para estudar a reforma dos transportes públicos.

Segundo os utentes, as carreiras em causa asseguram "o acesso a estudantes, profissionais dos serviços de saúde e até aos trabalhadores dos grandes centros comerciais, que não possuem viatura própria, a casa".

"Muito recentemente, a própria Carris havia anunciado em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa o programa "Lisboa à Noite", que iria "aumentar a oferta de transporte público e aumentar a segurança na Cidade", lembram no comunicado.

Face ao agora anunciado, os utentes questionam "onde ficaram os objetivos anteriormente propalados pela Carris? Onde está a segurança na cidade e o aumento da oferta de transporte público?".

"O fim das carreiras da rede da madrugada outro fim não visa do que a eliminação dos circuitos mais onerosos para a empresa, despedindo mais trabalhadores, com o fim de tornar a empresa interessante para a sua privatização", lê-se na nota.

A Plataforma das Comissões de Utentes da Carris insta todos os utentes "à luta com a solidarização com os trabalhadores na defesa das carreiras e por um transporte público de qualidade".

Revisão constitucional "à desfilada"? Link ao Câmara Corporativa...

De acordo com as preocupações e análise que o João Magalhães fez neste post. Temos de estar cada vez mais atentos...
Algo,aliás, que também escrevi no post anterior, apesar dos links em "blogrolls" terem saído imperfeitos.
OC

Passos Coelho quer destruir o sistema político-económico vigente(Atualizado)

A entrevista que Passos Coelho concedeu ontem à TV Globo deixa passar nas entrelinhas asserções perigosas, desde logo em matéria de um anunciado revisionismo económico.
Vale por dizer que se estriba em ideias que trilham caminhos já anteriormente calcorreados na anterior legislatura, com o "flop" que se sabe.E quando agora, usa palavras imponderadas, designadamente ao "preconizar um novo regime económico", pode bem supor-se que Passos Coelho se prepara para retomar nos próximos tempos as ideias centrais do último Projeto de Revisão Constitucional do PSD.

Acresce que, no decurso da entrevista à Globo, o 1ºministro,ao sublinhar o papel das empresas, ignora de forma deliberada o papel dos trabalhadores. Sublinha reiteradamente a tónica do papel dos empreendedores, fingindo ignorar que a ação do nosso país em matéria de exportações,produção e produtividade, sempre se deverá à criatividade dos empresário, mas de modo decisivo, também, ao papel e ação dos trabalhadores.

Passos Coelho do que falou no Brasil,na sua essência, foi de uma revisão constitucional que descarne a ossatura do conjunto de direitos fundamentais em matéria económica e no concernente a matérias relativas ao direito ao trabalho, aos direitos dos trabalhadores, à segurança no emprego, à liberdade sindical, ao direito à greve e ao direito à contratação coletiva, entre os mais relevantes.

A tudo acresce que Passos Coelho, ao "atirar com o barro à parede" ao preconizar uma "colossal" rutura com o sistema económico vigente na Constituição, traz no bojo as estafadas ideias de erradicar o SNS e outros dos mais marcantes direitos sociais.

Claro,o 1º ministro não pode(deve) ignorar que qualquer hipotética revisão constitucional carece da maioria de dois terços dos votos dos deputados para produzir qualquer alteração. Algo de que a maioria de direita não dispõe.

Salvo se Passos Coelho, Vitor Gaspar e Relvas se deixarem enredar, imprudentemente, pela onda que os arrastou para a violação constitucional que os fez"ignorarem" o papel das Grandes Opções do Plano, envolvendo-se numa trapalhada desprestigiante para o Parlamento.

Osvaldo Castro

sábado, 29 de outubro de 2011

Passos Coelho preconiza novo regime económico para Portugal

São Paulo, Brasil, 29 out (Lusa)

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse sexta-feira, em entrevista à televisão brasileira Globo, que Portugal tem de fazer um “caminho de mudança de regime económico” apostando mais nas empresas e na abertura da economia ao exterior.

“O caminho que temos de fazer é um caminho de mudança de regime económico, apostar mais nas empresas, mas na abertura da economia ao exterior, mais no empreendedorismo e na inovação dos portugueses, libertá-los do peso desta dívida, que vai demorar tempo, mas tem que ser feito, reduzir os gastos do Estado e das despesas públicas”, afirmou.

O líder do Governo, que terminou sexta-feira uma visita de dois dias ao Brasil, salientou também na entrevista que as dificuldades portuguesas não estão ao mesmo nível das gregas e que apesar da dívida portuguesa ser grande é “sustentável”.

“A nossa dívida é grande, mas é uma dívida sustentável. E foi justamente para evitar que as nossas dívidas fossem além do devido, daquilo que nós poderíamos pagar, que adotamos um programa tão duro e tão difícil como este que tem vindo a ser e que continuará por mais alguns anos em Portugal”, disse.

Passos Coelho disse também ter sido importante o reforço do Fundo Europeu de Resgate porque este mecanismo precisa de “alavancado para que esse risco sistémico e esse risco de contágio, de quebra de confiança no próprio euro, seja interrompido”.

“Era importante que o fundo tivesse um nível de robustez que desencorajasse os especuladores de fragilizar as economias europeias”, explicou.

A entrevista de Passos Coelho será transmitida na íntegra na segunda-feira no canal Globo News.

GL/JCS/Lusa

Lisboa: Encerrar metro à noite é "absoluto disparate",diz António Costa

Lisboa, 29 out (Lusa)
O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, considerou hoje um “absoluto disparate” o eventual encerramento do metropolitano à noite e mostrou-se desagradado por saber destas notícias pelos jornais e não pelo Governo.

“Já que a questão foi colocada na comunicação social também gostaria de dizer através da comunicação social que considero um absoluto disparate o encerramento dos transportes públicos mais cedo no período noturno”, disse o autarca aos jornalistas à margem da inauguração do primeiro parque hortícola de Lisboa.

Na sexta-feira, fonte do Metropolitano de Lisboa disse à Lusa que o grupo de trabalho criado para estudar a reforma dos transportes públicos apresentou à empresa uma sugestão de encerrar a rede à noite.

António Costa ressalvou ainda que “será um erro” o encerramento dos transportes públicos ao “fim de semana onde, como se sabe, no centro da cidade há uma grande movimentação de pessoas e onde é absolutamente essencial o transporte público até mais tarde para se evitar as situação gravíssimas de circulação, designadamente na zona do Bairro Alto, Alcântara e Santos”.

O presidente da Câmara de Lisboa criticou o Governo por não o ter informado desta possibilidade, afirmando que a autarquia “deve conhecer os assuntos vitais para a cidade diretamente por via do governo e não através comunicação social”.

“Mais estranho porque ministro que tutela os transportes, tem tido contactos frequentes comigo e acho lamentável que isso se trate através da comunicação social e não através do Governo”, acrescentou.

MCL/Lusa

OE2012: Seguro e Assis em plenários com militantes logo depois de o PS definir sentido de voto

Lisboa, 29 out (Lusa)
O secretário-geral do PS, António José Seguro, e o candidato derrotado à liderança, Francisco Assis, vão participar num conjunto de 30 plenários com militantes, depois de os socialistas definirem o seu sentido de voto sobre o Orçamento.

De acordo com fonte da direção do PS, os plenários com militantes vão cobrir praticamente todos os distritos do país, com António José Seguro a estar presente numa reunião na sexta-feira em Matosinhos e Francisco Assis no sábado em Peso da Régua.

Os plenários com militantes, que envolverão dezenas de dirigentes e deputados deste partido e que se realizam sexta-feira e no próximo sábado, acontecerão um dia depois da Comissão Política Nacional do PS, na quinta-feira, reunião em que será decidido o sentido de voto dos socialistas face à proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2012.

Na convocatória que está a ser feita aos militantes socialistas, refere-se que os plenários terão como objetivo "debater a situação política com especial incidência nas questões económicas e sociais".

"A realização destes plenários integra-se num dos objetivos cimeiros da atual direção: Estar próximo dos militantes e discutir com eles a situação política", referiu à agência Lusa um elemento do Secretariado Nacional do PS.

Em termos políticos, participam na série de plenários com militantes quase todos os membros do Secretariado Nacional do PS, assim como a quase totalidade dos elementos da direção do Grupo Parlamentar do PS.

A nota mais relevante é contudo a presença de Francisco Assis nesta lista, que no início da sessão legislativa esteve várias vezes em desacordo com a direção de Seguro, mas que agora também se tem demarcado de algumas posições protagonizadas pelo chamado "núcleo duro socrático", designadamente no que respeita à estratégia de pressão para que o PS vote contra a proposta de Orçamento logo na generalidade.

Apesar de Assis (contra o entendimento de Seguro) ter defendido que o PS deveria comunicar a sua abstenção mesmo antes de conhecer a proposta de Orçamento do Governo, agora, sobretudo nos últimos dias, tem-se aproximado mais da posição de moderação sustentada pela direção nesta questão, continuando a entender que os socialistas se deverão abster face ao Orçamento.

PMF/Lusa

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Joaquim Carreira, "A pura dedicação à luta dos trabalhadores", por Carlos Brito


Letra: Manuel da Fonseca; Música: Adriano Correia de Oliveira


Já por aí citei o pintor e militante revolucionário,José Dias Coelho, quando se referiu a Joaquim Carreira, lapidarmente, como "um jovem e heróico vidreiro da Marinha Grande", no seu livro "Histórias da Resistência".
Por tudo isso e porque hoje,dia 28 de Outubro,um vasto conjunto de democratas e antifascistas se aprestam para prestar Tributo à vida de um revolucionário. No exato dia em que trancorridos 38 anos, por ocasião da "última fantochada" eleitoral,seis meses antes dos alvores de Abril, uma vez mais o Joaquim Carreira foi de novo preso pela PIDE.
Claro, porque encabeçava a manifestação e sempre se dispunha "a dar o peito às balas".Tudo coisas que o Rodrigo Henriques do "Folha Seca"muito bem ilustrou,à laia de prefácio ao texto que Carlos Brito supinamente escreveu e que usei como frontispício deste post.
Carlos Brito trouxe vida nas palavras ao nosso Quim Carreira,no modo de ser independente e crítico, mas também nos gestos solidários e de humanidade de um Amigo e Camarada que fez da abnegação pela luta dos trabalhadores a ideia matriz de toda uma vida.
Mas para tudo o mais,que ressuma do valor das palavras de Carlos Brito, é urgente reconhecer,recordar,ou conhecer, para os mais jovens, os traços salientes que definem um Homem que entregou a sua vida sofrida,resistente,apaixonada e prenhe de humanidade às causas pelas quais se bateu toda a vida.


Por último,sei de ciência certa, que o Joaquim Carreira muito gostava de todo o Adriano e, de um modo especial, dos "Poemas para o Adriano"escritos pelo Manuel da Fonseca. Aqui fica o poema "Tejo que levas as águas".

Osvaldo Castro

Discussão da proposta de OE2012 adiada uma semana

28.10.2011- Por: Sofia Rodrigues,Público on line

A discussão e a votação da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2012, que estava agendada para os dias 3 e 4 de Novembro, foram adiadas uma semana, para os dias 10 e 11 de Novembro, por causa de dúvidas de legalidade e constitucionalidade relacionadas com o início da discussão do OE sem a apresentação das Grandes Opções do Plano.

Apesar deste adiamento exigir um trabalho na especialidade mais intenso, a data da votação final global não será comprometida.

Depois de uma conferência de líderes extraordinária esta manhã, antes do início do plenário, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, revelou aos jornalistas que a decisão do adiamento foi "consensual”.

Assunção Esteves afirmou que este adiamento se deve ao facto de ser obrigatória a apresentação conjunta da proposta de OE para 2012 e das Grandes Opções do Plano.

Em declarações aos jornalistas, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, lembrou que as Grandes Opções do Plano têm de ter parecer prévio e obrigatório por parte do Conselho Económico e Social, que só tem reunião agendada para o dia 8 de Novembro.

Os jornalistas quiseram falar com a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, mas foram informados por uma assessora que esta responsável só faria declarações à agência Lusa.

Adriano,com o poema "Balas" de Manuel da Fonseca

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Duarte Lima acusado do homicídio de Rosalina Ribeiro

por:DN.pt-Hoje

A notícia foi avançada no noticiário da SIC. O Ministério Público brasileiro quer a prisão preventiva do ex-deputado.

Segundo a estação de Carnaxide, Duarte Lima foi hoje formalmente acusado de homicídio pelo Ministério Público (MP) brasileiro.

Na acusação, a que a SIC teve acesso, o ex-deputado é apontado como o autor dos disparos que mataram Rosalina Ribeiro. O Brasil quer a prisão preventiva de Duarte Lima e já pediu à Interpol para pôr o nome na lista dos procurados internacionais.

Germano Marques da Silva, advogado de Duarte Lima, não quis fazer comentários a esta notícia por não ter sido ainda notificado.

Duarte Lima era advogado de Rosalina e foi das últimas pessoas conhecidas a vê-la com vida, antes do homicídio ocorrido no dia 7 de Dezembro de 2009, em Saquarema, na região dos Lagos, no estado do Rio de Janeiro.

Prémio Sakharov atribuído a líderes da Primavera Árabe

O parlamento europeu atribuiu hoje o prémio Sakharov pela liberdade de espírito a intervenientes da Primavera Árabe, segundo avançou uma fonte parlamentar à AFP.
O tunisino Mohamed Bouazizi (a título póstumo), a egípcia Asmaa Mahfouz, o dissidente líbio Ahmed al-Zubais Ahmed al-Sanusi, o advogado sírio Razan Zeitouneh e o caricaturista sírio Ali Fazat são os distinguidos este ano com o galardão, disse a mesma fonte.
O prémio Sakharov -- que será oficialmente entregue em dezembro numa cerimónia em Estrasburgo (França) -- recompensa anualmente um defensor dos direitos humanos e da democracia.

Diário Digital / Lusa

Euro/Cimeira:Bancos perdoam 50% da dívida grega

por:DN.pt,Lusa-Hoje

O acordo perdoa à Grécia 100 mil milhões de euros. Foi também decidido aumentar a capacidade do fundo europeu para 1 bilião (milhão de milhões) de euros.

A medida, tida como essencial para a recuperação da economia grega e da Zona Euro, esteve em discussão nas últimas horas na capital belga.

A cimeira terminou às 03:55 locais (menos uma em Lisboa), ou seja, a reunião dos chefes de Estado e Governo dos 17 países durou praticamente oito horas.

O acordo a que os países da zona euro chegaram com os bancos permitirá reduzir a dívida da Grécia em 100 mil milhões de euros, disse hoje o presidente francês Nicolas Sarkozy.

Em conferência de imprensa no final da cimeira, Sarkozy anunciou o acordo com a banca internacional, que aceitou perder 50 por cento com a dívida grega. "Poderia ter sido uma catástrofe (...) não nos poderíamos dar ao luxo de não chegar a acordo", disse o líder francês.

Sarkozy anunciou ainda que a capacidade do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira vai aumentar para 1 bilião (milhão de milhões) de euros - até agora era de 440 mil milhões de euros.

"Foi um acordo difícil, mas muito importante para estabilizar os mercados", disse o presidente francês, que descreveu o acordo dos parceiros da zona euro como tendo "três facetas".

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Euro/Cimeira: Bancos rejeitam acordo sobre dívida grega

Washington, 26 out (Lusa)

Os bancos internacionais rejeitaram hoje qualquer acordo sobre a reestruturação da dívida soberana grega, disse hoje o presidente do Instituto Financeiro Internacional (IFI), que representa a banca nas negociações em Bruxelas.

“Não houve qualquer acordo relativo à Grécia, nem quanto a qualquer reestruturação”, disse em comunicado Charles Dallara, presidente do IIF.

“Mantemo-nos abertos ao diálogo tendo em vista um acordo voluntário. Não há nenhum acordo quanto a qualquer elemento do plano”, acrescentou Charles Dallara.

RBV/Lusa

Euro/Cimeira: Portugal deve estar pronto a tomar medidas adicionais se necessário – projeto conclusões

Bruxelas, 26 out (Lusa)
Os líderes da Zona Euro deverão referir-se aos "bons progressos" de Portugal na implementação do seu programa de ajustamento, mas advertem ao mesmo tempo que Lisboa deve estar preparada para tomar mais medidas se tal for necessário.

De acordo com o projeto de conclusões da cimeira da Zona Euro que decorre esta noite em Bruxelas, os chefes de Estado e de Governo dos 17 países do espaço monetário único convidam Portugal e Irlanda, países com programas de assistência em curso, a “prosseguirem os seus esforços, manterem-se comprometidos com as metas acordadas e estarem prontos a tomar quaisquer medidas adicionais necessárias para atingir essas metas”.

Afirmando-se “satisfeitos” com os progressos feitos pela Irlanda e considerando “bons” os progressos feitos por Portugal, assim como a determinação das autoridades portuguesas em continuar a adotar medidas para garantir a sustentabilidade orçamental e a melhorar a competitividade, os líderes europeus irão reiterar a sua “determinação em continuar a prestar apoio” aos países sob programas até estes voltarem aos mercados, “desde que implementem integralmente esses programas”.

ACC/PPF/Lusa

Basílio Horta diz que Santos Pereira "vai passar a ser ministro do desemprego"

por:DN.pt; Lusa-Hoje
O deputado socialista Basílio Horta defendeu hoje que as políticas de contracção económica farão de Álvaro Santos Pereira um "ministro do desemprego" ou o "velho ministro de abastecimento e preços" em vez de responsável por uma economia internacionalizada.

"Como a prioridade do Governo não é a retoma económica, como a prioridade do Governo é aumentar impostos e cortar salários e viver no momento permanente de contracção, obviamente que o senhor ministro deixa de ser ministro do Emprego para passar a ser ministro do desemprego", acusou Basílio Horta.

Numa interpelação ao Governo no Parlamento, por iniciativa do BE, o deputado socialista insistiu na ideia segundo a qual há "uma ausência de Economia" no Governo, lembrando que o empresário e presidente do conselho nacional do CDS, António Pires de Lima, afirmou que o ministro Economia "é um problema" para este Governo.

Basílio Horta comparou as opções do Governo à "experiência chilena dos anos 80", em cortes salariais e aumento de impostos queriam meter os chilenos "na ordem", mas culminaram em "desemprego em quase 30 por cento" e "construção de uma sociedade para poucos e de um Estado para poucos".

O PS insistiu que "a consolidação orçamental se deve fazer simultaneamente com a retoma do crescimento", sob pena de Álvaro Santos Pereira chegar a "2013 com poucas empresas e poucas famílias".

"Por este caminho vossa excelência será o velho ministro de abastecimento e preços ou o secretário de estado do Comércio Interno, agora ministro da Economia, de uma economia internacionalizada, isso é que o vossa excelência não será, com grave prejuízo para a economia portuguesa", acusou.

Governo pode negociar mas aguarda propostas da oposição

por:DN.pt;Lusa-Hoje

O Governo está disponível para negociar o Orçamento do Estado para 2012 para garantir o mais amplo apoio possível, e esperar que a oposição apresente alternativas, afirmou hoje o ministro das Finanças.

"Do ponto de vista do empenho do Governo em conseguir o mais amplo apoio possível nesta situação a disponibilidade é total. Estamos disponíveis para conversar sobre o Orçamento do Estado e prestar todos os esclarecimentos que sejam necessários", afirmou Vítor Gaspar perante os deputados na Assembleia da República.

O ministro respondia a questões colocadas pelos deputados, em especial do PS, que colocaram em causa a margem de negociação do Governo, ao não convidar o PS para uma discussão prévia do orçamento.

O ex-ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, questionou mesmo o ministro sobre qual seria a margem para negociar as propostas contidas no orçamento, em especial as medidas mais gravosas como são os cortes nos subsídios de férias e Natal dos trabalhadores das administrações públicas e empresas públicas.

O ministro disse, no entanto, que o Governo irá esperar pelas propostas da oposição para que essas conversas se iniciem.

"Teremos de aguardar quais são as propostas do Partido Socialista (PS) e outros partidos representados neste Parlamento quiserem apresentar para apreciarmos essas alternativas", disse.

Media: Publicidade na RTP lançará setor para a crise, afirma Pinto Balsemão

Lisboa, 26 out (Lusa)
O presidente do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, considerou hoje que a manutenção de publicidade no canal da RTP que não for alienado vai lançar o setor para uma crise.

“O processo apressado de privatização da RTP, não maximizando os potenciais benefícios do Estado, lançará o setor, não apenas a televisão, para uma crise que será impeditiva da indispensável transformação em curso”, disse Pinto Balsemão durante a abertura da conferência Media do Futuro organizada pela Sic Notícias e pelo jornal Expresso.

A procura de publicidade diminuiu 30 por cento entre 2007 e 2011 e continuará a cair no próximo ano, lembrou o presidente da Imprensa, salientando que a manutenção de seis minutos de publicidade por hora no canal que não for alienado, levará a um aumento de 40 por cento da oferta do espaço publicitário.

Para Balsemão, a baixa de investimento publicitário e o aumento da oferta do espaço gerará “uma queda potencial de receita em torno dos 60 por cento nos operadores privados” e terá “dramáticos efeitos em cascata”, sobre todo o setor.

“Se a ideia não é acabar connosco [operadores privados], parece. Se é acabar connosco, arrisca-se a ser eficaz”, declarou Pinto Balsemão.

Balsemão adiantou ainda que nem os mais “empedernidos monetaristas” aceitarão que se trata apenas de uns que saem e outros que entram, portugueses ou estrangeiros, quando é o funcionamento da democracia portuguesa que está em causa.

Balsemão fez quatro observações na sua intervenção, começando por sublinhar o papel fundamental dos media “profissionais” e “independentes” que desempenham numa democracia que se quer “substantiva”, sendo a limitação do exercício do jornalismo, livre e independente, “altamente perigosa”.

O responsável pela Impresa realçou também os “tremendos desafios conjunturais que os media enfrentam”, numa alusão à retração do mercado publicitário.

Balsemão lembrou ainda que o setor enfrenta desafios estruturais, nomeadamente a transição para o digital, o que requer capacidade de investimento e capacidade de inovação “para que seja uma verdadeira oportunidade para o setor”.

O presidente da Impresa disse que o setor não reclama ajudas, que está preparado para ajudar o país a ganhar competitividade, mas que os media não podem aceitar “que seja o próprio Governo a introduzir elementos de disrupção que ponham em causa todos os objetivos económicos e sociais, sem benefícios evidentes para ninguém”.

O canal de televisão que se mantiver na estação pública vai continuar a ter publicidade, à semelhança da RTP1, disse, na segunda-feira, o presidente do grupo de media público, Guilherme Costa.

Guilherme Costa, que falava na conferência de imprensa de apresentação do plano de sustentabilidade económica e financeira da RTP, em Lisboa, adiantou que o canal generalista que não for alienado beneficiará de "receitas comerciais num montante inferior ao que beneficia agora".

Assim, o canal público terá os mesmos 6 minutos de publicidade por hora que tem atualmente a RTP1.

ALU/TDI/Lusa

Chavela Vargas,"Llorona"

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Dilma Rousseff volta a expressar preocupação com cenário económico mundial

Por: Agência Lusa, publicado em 25 Out 2011 - 20:42

A Presidente Dilma Rousseff manifestou hoje a sua "preocupação" em relação à possibilidade de a crise económica mundial se agravar ainda mais, com fortes consequências políticas e sociais.

Para combater este cenário, a líder brasileira defendeu a rápida adoção de medidas "equilibradas" entre o ajuste fiscal e o estímulo ao crescimento económico e ao emprego.

"É preciso um esforço concertado de reequilíbrio de toda a economia global. Há que evitar que alguns países transfiram para outros os custos de uma conjuntura fácil, seja por artifícios de controlo cambial, seja por políticas monetárias excessivamente expansivas, seja por qualquer desequilíbrio financeiro", acrescentou.

As declarações foram feitas ao lado do Presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, que Dilma Rousseff recebeu hoje em Brasília para debater temas da agenda bilateral.

Os dois líderes trocaram impressões sobre a situação da economia global, no sentido de adiantar posições a tomar na próxima Cimeira do G-20, que se realizará no dia 4 de novembro na cidade francesa de Cannes.

A parceria estratégica assinada entre Brasil e Ucrânia tem como principal tema a cooperação espacial.

Após o encontro, os dois chefes de Estado anunciaram a continuidade no projeto da empresa mista Alcântara Cyclone Space, responsável pelo desenvolvimento do foguete Cyclone-4.

Esta foi a primeira vez que o Presidente ucraniano visitou um país da América Latina. A sua visita coincide com a celebração dos 120 anos da migração ucraniana para o Brasil.

A comunidade ucraniana no país possui hoje cerca de 400 mil pessoas.

Link Inevitável...à "Nossa Candeia"


Com vénia e agradecimento à Ana Paula Fitas a quem "surripiei" o vídeo

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Comissão Europeia investiga ajudas ao BPN

Por:Agência Lusa/Ionline, publicado em 24 Out

A Comissão Europeia anunciou hoje a abertura de uma "investigação aprofundada" para determinar se a proposta de reestruturação do Banco Português de Negócios (BPN) "está em consonância" com as regras da União Europeia (UE) em matéria de auxílios estatais.

Caso a Comissão Europeia encontre algo de errado, o banco pode ser obrigado a devolver todo o dinheiro que recebeu do Estado desde 2008.

"O início de uma investigação aprofundada permitirá à Comissão recolher todas as informações de que necessita para apreciar a compatibilidade do auxílio e dá aos terceiros a oportunidade de apresentarem as suas observações sobre a matéria, sem condicionar o resultado da investigação", realçou hoje o executivo liderado por Durão Barroso.

De acordo com o vice-presidente da Comissão responsável pela política da concorrência, Joaquín Almunia, a investigação irá garantir que o auxílio concedido ao banco se limite "ao mínimo estritamente necessário, no interesse da concorrência leal e dos contribuintes portugueses".

O executivo comunitário quer, com a investigação, recolher informações que lhe permitam determinar se o BPN "será uma entidade viável após a sua integração no futuro comprador, se o auxílio concedido ao BPN é limitado ao mínimo necessário para realizar a reestruturação, se foram adotadas medidas suficientes para limitar a distorção da concorrência e se o processo de venda não implica um auxílio para o comprador".

O BPN, lembra a Comissão Europeia, foi nacionalizado em novembro de 2008 "a preço zero para os acionistas, mas beneficiou de diversas medidas de apoio".

Em julho de 2011, as autoridades portuguesas iniciaram negociações em exclusividade com o Banco BIC Portugal, tendo em vista a venda do BPN, e "tanto quanto é do conhecimento da Comissão, estas negociações estão ainda a decorrer".

"Apesar de sucessivos pedidos, a Comissão não dispõe na presente fase de todas as informações de que necessita para adotar uma decisão relativa ao eventual auxílio", diz o executivo comunitário, que realça que o início de uma investigação aprofundada "é um procedimento comum para os casos complexos no sector bancário e não constitui um juízo antecipado do resultado final da investigação".

O BPN foi nacionalizado na sequência da crise financeira, e beneficiou de diversas medidas de auxílio, incluindo garantias estatais relativas a emissões de papel comercial, num montante superior a quatro mil milhões de euros.

Este ano, o Governo anunciou a venda do banco ao BIC por 40 milhões de euros.

OE2012: Carvalho da Silva diz que Portugal vive “maior perigo de retrocesso social” desde o 25 de Abril

Lisboa, 24 out (Lusa)

O secretário-geral da CGTP, Carvalho da Silva, declarou hoje que, com as medidas de austeridade já em vigor e anunciadas para 2012, o país atravessa "o maior perigo de retrocesso social e civilizacional" do pós-25 de Abril.

"Estamos perante, julgo que sem sombra de dúvidas, o maior perigo de retrocesso social e civilizacional que o país vive desde a queda da ditadura, não temos no período da democracia nenhuma situação que se compare a esta", afirmou.

O líder sindical falava aos jornalistas no final de uma reunião com o coordenador do BE, Francisco Louçã, na sede daquele partido.

Para Manuel Carvalho da Silva, as medidas previstas no Orçamento do Estado para o próximo ano são "uma catadupa de decisões que estão a afundar o país" e o Governo esconde que está "a desenvolver políticas que levam ao desastre a que hoje se assiste na Grécia".

"Há aqui uma subversão, uma intervenção política de cariz profundamente neoliberal e neoconservadora que não vê outra saída para o país que não seja reduzir o nível de vida dos portugueses e sacrificar o povo e nesse sentido é um processo de negação da transformação, é um processo revolucionário no pior sentido", considerou.

O secretário-geral da CGTP considerou que o acordo assinado com a ´troika' representa "uma ocupação" do país e que "só falta haver forças militares" estrangeiras em Portugal.

"Estamos perante perigos muito grandes, quer em relação as condições de trabalho, quer em relação as condições de vida, designadamente direitos sociais, não há democracia num país sob ocupação e nos estamos, neste momento, sob ocupação, só falta haver forças militares", referiu.

Carvalho da Silva notou ainda que os trabalhadores da administração pública e do setor privado estão a "perder direitos que têm ligação com fatores estruturantes da própria democracia e portanto do patamar de desenvolvimento que o país alcançou".

ATF/Lusa

Media: Novo plano de rescisões voluntárias este ano contempla 300 saídas - Presidente da RTP

Lisboa, 24 out (Lusa)

O presidente da RTP, Guilherme Costa, confirmou hoje que a empresa vai avançar até meados de novembro com um novo plano de rescisões voluntárias e que tem provisões suficientes para rescindir com 300 trabalhadores.

Durante a conferência de imprensa de apresentação do plano estratégico de redução de custos, o presidente da RTP afirmou que há disponibilidade para aceitar uma nova vaga de saídas voluntárias da estação pública de televisão, para a qual existem verbas disponíveis para 300 trabalhadores.

ALU/MBA/Lusa

Caetano Veloso/Maria Gadú, Beleza Pura

domingo, 23 de outubro de 2011

Chuva, granizo e trovoada para domingo e segunda-feira

Por:Ionline, Agência Lusa, publicado em 22 Out 2011
Chuva e ventos fortes, agitação marítima, queda de granizo e trovoadas deverão acontecer entre a tarde de domingo e o início da tarde de segunda-feira, segundo informações atualizadas do Instituto de Meteorologia (IM).

Citadas pela Autoridade Nacional de Protecção Civil, as informações do IM referem que o tempo em Portugal Continental será caracterizado por chuva persistente e intensa, ventos fortes, agitação marítima na costa ocidental e possível queda de granizo e trovoadas.

Para segunda-feira, espera-se uma acentuada descida da temperatura.

A Proteção Civil refere que estas condições meteorológicas podem provocar estradas escorregadias e lençóis de água, assim como cheias rápidas em meio urbano.

Outras das consequências podem ser inundações por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis e acidentes na orla marítima.

O alerta amarelo estará ativo desde as 12:00 de domingo e as 12:00 de segunda-feira para aumentar a “prontidão dos Agentes de Protecção Civil e entidades integrantes do Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro".

À população, a autoridade aconselha desobstrução dos sistemas de escoamento das águas das chuvas, condução especialmente atenta, não atravessamento de zonas inundadas, fixação adequada de estruturas soltas e evitar atividades relacionadas com o mar.

Sarkozy diz que Portugal está "no bom caminho"

por:DN.pt/Lusa-Hoje
O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse hoje que Portugal está "no bom caminho", colocando o país num grupo de três Estados-membros, juntamente com Irlanda e Espanha, que têm respondido bem à crise, também graças às orientações europeias.

Durante uma conferência de imprensa conjunta do presidente francês com a chanceler alemã Angela Merkel, após o Conselho Europeu, um jornalista desafiou os dois responsáveis a explicar de que modo poderão os europeus acreditar nas suas propostas se ao longo dos últimos dois anos estas se têm saldado em fracassos, tendo Sarkozy refutado a ideia de fracasso, e o que classificou como uma "provocação", dando o exemplo de Irlanda, Portugal e Espanha.

"A Irlanda era um país à beira da falência, hoje é um país que saiu ou está em vias de sair da crise. Quanto a Portugal, graças aos esforços do Governo português, as coisas em Portugal vão na boa direcção. A Espanha, graças aos esforços do governo de Zapatero e do sentido de responsabilidade da oposição, já não está na primeira linha", disse, concluindo que se trata de "três países aos quais a Europa deu propostas e recomendações credíveis".

FMI pronto e capaz para dar mais financiamento à Europa

por:DN.pt/Lusa-Hoje

O Fundo Monetário Internacional está preparado e em condições de providenciar mais financiamento à Europa, afirmou hoje a directora-adjunta do fundo, Nemat Shafik, à margem do Fórum Económico Mundial que decorre na Jordânia.

"Nós estamos prontos para dar aos europeus o que eles precisarem de nós, seja apoio técnico, ajuda a monitorizar as suas economias, nós podemos fazê-lo. (...) Se for financiamento adicional, nós também estaremos prontos para o fazer", disse Nemat Shafik, numa entrevista, citada pela Bloomberg.

A responsável do FMI sublinhou ainda os alertas do fundo, de que "a economia mundial está a entrar numa fase muito perigosa".

"Temos dito que o abrandamento económico na Europa e nos Estados Unidos tem significado que o crescimento económico a nível mundial será provavelmente mais baixo que o esperado", disse ainda.

Durão apresentou roteiro para estabilidade e emprego

JN.pt-Hoje-AFP

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, apresentou ao Conselho Europeu o seu roteiro para a estabilidade e emprego, no qual reclama o reforço do sistema bancário e da governação económica.

O roteiro para uma resposta abrangente destinada a restabelecer a confiança na zona euro e na União Europeia tinha já sido apresentado, a semana passada, no Parlamento Europeu e prevê uma "acção determinada" e imediata em relação à Grécia.

O aumento de capital dos bancos é outra das propostas de Durão Barroso, que defende a necessidade dos bancos deterem um rácio de fundos próprios consideravelmente mais elevado e que englobe capitais de muito boa qualidade para melhor enfrentar a crise na zona euro.

A construção de uma governação económica mais robusta e integrada e a antecipação de políticas promotoras do crescimento e emprego são outros pontos da proposta.

Os líderes dos 27 estão reunidos, em Bruxelas, seguindo-se uma cimeira, à tarde, dos países da zona euro.

Destas duas reuniões não devem sair soluções para a crise da dívida, estando as decisões adiadas para o encontro dos 17, na quarta-feira.

Mariza,Chuva

sábado, 22 de outubro de 2011

Vasco Lourenço alerta que poder foi tomado por "bando de mentirosos"

Lisboa, 22 out (Lusa)


O capitão de Abril Vasco Lourenço defendeu hoje que o poder foi tomado por um "bando de mentirosos", justificando a conclusão com um vídeo que "corre" na Internet com declarações de Passos Coelho que foram "renegadas" nos atos do Governo.

O presidente da Associação 25 de Abril falava aos jornalistas no final de um encontro que juntou cerca de um milhar de militares e que, por proposta das associações (de oficiais, de sargentos e de praças), foi decidido por maioria esmagadora promover uma concentração de protesto, dia 12 de novembro, no Rossio, em Lisboa, contra as medidas de austeridade impostas pelo Governo aos portugueses e aos militares.

"Ao ver aquele vídeo, eu tenho que chegar à conclusão que são um bando de mentirosos, de mentirosos puros", declarou Vasco Lourenço, observando que, ao fazer o confronto entre o vídeo e a realidade, o primeiro-ministro "renega nos atos tudo aquilo que acabou de dizer há muito pouco tempo".

O militar de Abril disse ter visto o "vídeo" e ficado "absolutamente indignado" e "escandalizado", ironizando que se diziam que José Sócrates era o "Pinóquio", este primeiro-ministro comparado com ele "cuidado".

Nas palavras de Vasco Lourenço é "preciso desmascarar os indivíduos que ocupam o poder" e que "o estão a roubar", vincando que se "sente roubado".

O capitão de Abril lembrou ainda as recentes declarações do bispo das Forças Armadas, D. Januário Torgal Ferreira, de que o que se está a passar é "terrorismo puro".

Vasco Lourenço prevê que as medidas de austeridade impostas, ultrapassando qualquer política neo-liberal e criando um "PREC de direita", vai provocar "convulsão social", porque, certamente, a população "não vai aceitar de bom grado" estas medidas.

Questionado sobre se não estava a falar de uma revolução, o capitão de Abril contrapôs que "o que se está a passar" com estas medidas é uma revolução, só que em sentido contrário.

"Não me venham dizer que a reação de não aceitar este tipo de situação é que será uma revolução. Não, não vou por aí", sublinhou.

O presidente da Associação Nacional de Sargentos, Lima Coelho, afirmou que os militares estão disponíveis para "todos os sacrifícios", mas "não estão disponíveis para serem sacos de pancada", nem para serem "enxovalhados ou usados politicamente de forma que não merecem ser usados".

"Não queremos ser tratados à parte. Queremos apenas um tratamento justo que a nossa condição militar exige", sintetizou Lima Coelho.

Quanto à concentração de 12 de novembro, no Rossio, será seguida de desfile que terminará no Terreiro do Paço, em frente ao Ministério das Finanças.

A concentração no Rossio foi ainda marcada tendo em conta "a redução das remunerações, aliada aos cortes dos subsídios de férias e de Natal e ao aumento generalizado dos impostos", que está a "atirar muitos" militares para "o limiar da impossibilidade de cumprir com os compromissos financeiros assumidos".

FC/Lusa

"Austeridade inteligente" para evitar situação grega,sublinha Seguro

por:DN.pt./ Lusa-Hoje
O secretário-geral do PS afirmou este sábado que o actual desafio colectivo é fazer "austeridade inteligente" para que o país não se enrede numa situação semelhante à grega.

"O que se coloca hoje como desafio colectivo a todos os portugueses é termos a capacidade de fazer austeridade inteligente", defendeu o líder socialista.

Seguro, que falava no final de uma convenção autárquica que decorreu hoje em Gondomar, explicou ser "necessário introduzir rigor nas contas públicas, equilibrá-las, diminuir a independência externa", salientando porém que "isso não vai lá só pelo lado da austeridade".

"Se for exclusivamente pelo lado da austeridade, nós vamos enredar-nos numa situação muito semelhante à que aconteceu com a Grécia", afiançou.

Criticando as medidas de austeridade e o "caminho errado" do executivo de Pedro Passos Coelho, o líder do Partido Socialista avisou que se à austeridade se somar mais austeridade a economia nacional, "que já não cresce, vai atrofiar-se ainda mais" tornando Portugal um pais que "embora trabalhando, e podendo até trabalhar mais, empobrece".

"E um país que tem uma economia que não cresce, não consegue gerar riqueza. E um país que não gera riqueza não consegue pagar os juros da sua dívida", disse.

O socialista sublinhou que "Portugal tem de ter uma estratégia para o seu crescimento económico" mas admitiu saber que "não há nenhuma estratégia semelhante a uma varinha mágica, ou um estalar de dedos, que faça com que amanhã o nosso país comece a crescer".

Disse contudo ser responsabilidade de todos "encontrar respostas" que permitam simultaneamente "consolidar as contas públicas" e "abrir um caminho sustentável para o crescimento" económico.

António José Seguro quis também clarificar que "o orçamento para 2012 não está em causa, não se coloca a questão de viabilizá-lo ou de o chumbar".

O que está em causa, disse, "é saber se o país vai ter ou não um bom orçamento para poder ajudar a resolver os problemas que temos pela frente".

Merkel quer sanções mais severas para endividados

por:DN.pt/Lusa/Hoje
A chanceler alemã, Angela Merkel, exigiu hoje sanções mais severas e a denúncia ao Tribunal de Justiça da União Europeia dos parceiros europeus que não controlem as suas contas públicas e que se endividem excessivamente.

"Bruxelas tem falta de competências nesse sentido", reconheceu hoje a chanceler alemã durante um evento das juventudes da União democrata-cristã (CDU) que preside na cidade de Braunschweig, no norte da Alemanha.

Angela Merkel afirmou que, se um país viola durante anos o Pacto de Estabilidade e Crescimento, deve poder ser acusado perante o Tribunal da EU, com independência da autonomia dos Estados-membros.

"Precisamos de mais Europa e mais capacidade de acção nesse campo", caso contrário não se atingirá um nível equilibrado de competitividade dos países comunitários, afirmou a chanceler, um dia antes da cimeira de chefes de Estado e de Governo na União Europeia.

Poucas horas depois, noutro encontro político da CDU, Merkel apelou aos Estados-membros para que deixem de "viver do crédito".

"É preciso parar de se viver acima das possibilidades de cada um", disse Angela Merkel, que, esta noite, se encontra com o presidente francês Nicolas Sarkozy, em Bruxelas, para uma reunião de trabalho preparatória para o Conselho Europeu de domingo.

De acordo com fontes do Eliseu, citadas pela agência France-Presse, Sarkozy e Merkel encontram-se cerca das 21:00 de Bruxelas (menos uma hora em Lisboa), à margem de uma reunião do Partido Popular Europeu (PPE), onde também participa o primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho.

O presidente francês e a chanceler alemã, dizem as fontes do Eliseu, falaram hoje de manhã ao telefone. Em cima da mesa estará a crise da Zona Euro, sendo o objectivo dos dois líderes ultrapassar as divergências no combate à crise do euro e ao contágio da dívida.

Tunísia/Eleições: Votação é decisiva para "assegurar uma democracia" – Jorge Sampaio

Ramallah, 22 out (Lusa)
As eleições na Tunísia são “decisivas para se cimentar a ideia de que é pela via da institucionalização das entidades que poderão assegurar uma democracia”, disse à Agência Lusa Jorge Sampaio, Alto Representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações.

Os tunisinos elegem domingo uma Assembleia Constituinte. Estas eleições, consideradas históricas, ocorrem nove meses após a saída do poder de Zine El-Abidine Ben Ali na sequência de uma revolta popular que pôs fim aos 23 anos do regime.

“O que se jogar na Tunísia poderá ter influência, embora a Tunísia seja um pais cordato, relativamente avançado em certos dominios tão sensíveis, o que se passar na Tunísia será muito importante para o futuro desta movimentação toda”, afirmou o ex-presidente da República.

A Tunísia foi o primeiro dos vários países da chamada “Primavera Árabe”, uma vaga de revoltas populares que resultarou na deposição dos respetivos regimes.

VYM/Lusa

PR: "Não há tempo para hesitações e jogos políticos" entre líderes europeus

Lisboa, 22 out (Lusa)
O Presidente da República, Cavaco Silva, disse hoje, através da sua página no Facebook, que "esta é a hora de exigir sentido de responsabilidade" à Europa, considerando que "não há tempo para hesitações e jogos políticos de bastidores".

"Temos assistido nos últimos dias ao avolumar de indefinições sobre as medidas que o Conselho Europeu de domingo deveria tomar para a resolução definitiva da crise que atinge a zona do euro. Esta é a hora de exigir sentido de responsabilidade aos líderes europeus", reitera Cavaco Silva.

Para o chefe de Estado, "não há tempo para hesitações e jogos políticos de bastidores", pelo que "os responsáveis europeus devem estar à altura dos desafios desta hora crítica para a Europa".

O Presidente da República disse ainda que a União Europeia "tem os meios para enfrentar a crise" e que "é inadiável garantir a estabilidade financeira e o futuro da construção europeia", uma vez que "adiar seria tornar mais difíceis e onerosas as soluções e pôr em risco o que duas gerações de europeus ergueram".

Os ministros das Finanças da Zona Euro reúnem-se hoje à tarde em Bruxelas, depois do encontro que mantêm neste momento alargado aos restantes 10 titulares das pastas das Finanças da União Europeia, disse fonte diplomática à Lusa.

O novo encontro no formato Eurogrupo (os 17 ministros das Finanças do espaço monetário único) engrossa assim a “maratona” de reuniões que se sucedem em Bruxelas para preparar as decisivas cimeiras que se avizinham, designadamente o Conselho Europeu de domingo de manhã e as cimeiras da Zona Euro agendadas para domingo à tarde e quarta-feira à noite, todas ao nível de chefes de Estado e de Governo.

ND (ACC/PPF)/Lusa

Franz Lizst,"Rêve d'Amour"

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Obama anuncia "fim da guerra" no Iraque

Sexta feira, 21 de outubro de 2011-Expresso online

O governo norte-americano decidiu retirar todos os soldados que permaneciam destacados no Iraque até ao final deste ano.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou hoje o "fim da guerra" no Iraque ao anunciar que todas as tropas norte-americanas vão retirar do país até ao final deste ano, cumprindo a "promessa" que efetuou antes de tomar posse.

A declaração de Obama põe termo a meses de especulações e divergências sobre a manutenção de um presença militar dos EUA no país do Médio Oriente para além de 2011. Os Estados Unidos ainda mantêm 39 mil soldados estacionados no Iraque.

"Após quase nove anos, a guerra da América no Iraque vai terminar", garantiu o Presidente durante uma curta declaração na Casa Branca, em Washington.

Obama dirigiu-se aos jornalistas após ter participado numa vídeo-conferência privada com o primeiro-ministro iraquiano Nouri al-Maliki, e assegurou que a decisão foi aceite pelas duas partes.

A retirada norte-americana em 2011 ficou decidida num acordo entre os dois países, ainda durante a presidência de George W. Bush. Obama tinha já declarado o fim das missões de combate no início deste ano.

O governo norte-americano decidiu retirar todos os soldados que permaneciam destacados no Iraque - um dos mais prolongados e polémicos conflitos da história dos EUA - até ao final de 2011, devido à ausência de acordo com o governo de Bagdad sobre a permanência de um contingente com vários milhares de soldados.

No período mais crítico da guerra, que implicou o derrube do regime de Saddam Hussein e que custou milhares de milhões de euros, os EUA chegou a manter no país árabe 180 mil soldados.

No conflito, que se prolonga há mais de oito, os Estados Unidos sofreram cerca de 4.400 baixas.

Peter Pan na "Terra do Nunca"


Mary Blair Disney,Homenagem da Google

OE 2012:Ferro defende voto contra do PS se não houver alterações

por:DN.pt/Lusa-Hoje

O ex-líder socialista Ferro Rodrigues advertiu hoje que o PS poderá votar contra o Orçamento caso o Governo recuse propostas de alteração e defendeu a demissão do executivo caso tente tornar definitivas as medidas de austeridade temporárias.

As posições de Ferro Rodrigues sobre a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2012 e sobre a estratégia financeira e económica do país nos próximos anos foram assumidas em entrevista à Antena 1.

Interrogado sobre o sentido de voto dos socialistas face à proposta de Orçamento do Estado para 2012, Ferro Rodrigues mostrou-se de acordo com a posição tornada pública recentemente pelo presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos Zorrinho.

Quinta-feira, "o presidente do Grupo Parlamentar do PS disse que é necessário que haja alterações e que o PS vai apresentar alterações. Julgo que [Carlos Zorrinho] está implicitamente a dizer que, se não houver alterações nenhumas, o PS tem de ter uma posição negativa em relação a este Orçamento, sem ter culpa nenhuma disso", sustentou o ex-líder socialista.

Na mesma entrevista à Antena 1, Ferro Rodrigues também defendeu que o Presidente da República, Cavaco Silva, deverá demitir o Governo caso este tente prolongar para além de 2013 os cortes remuneratórios no sector da administração pública.

"Estas medidas são apresentadas como provisórias, como medidas temporárias para dois anos. Se daqui a dois anos, no Orçamento do Estado para 2014, essas medidas não forem anuladas e não se regressar à situação anterior, o Governo não tem condições para continuar", advogou Ferro Rodrigues.

De acordo com o ex-líder do PS, o Presidente da República, Cavaco Silva, "até por aquilo que disse" recentemente sobre os cortes salariais a pensionistas e na administração pública, "tem a obrigação de demitir o Governo" caso se pretenda que esses mesmos cortes tenham um carácter definitivo.

"Isso significaria que, durante estes dois [próximos] anos, o Governo teria posto em prática uma política de tragédia do ponto de vista social e que também não tinha conseguido resolver os problemas dos pontos de vista económico e financeiro", apontou Ferro Rodrigues.

Google homenageia Mary Blair, ilustradora de Walt Disney

Google faz hoje um tributo a Mary Blair, artista, produtora de arte e ilustradora de filmes de animação da Walt Disney Company, responsável por êxitos como Dumbo, A Dama e o Vagabundo, Cinderela e Peter Pan.
Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt), Google

Sexta feira, 21 de outubro de 2011
Doodle do Google, homenagem ao 100º aniversário de Mary Blair

Mary Blair, responsável famosa pela animação de filmes como "Dumbo", "A Dama e o Vagabundo" e "Peter Pan", nasceu a 21 de outubro de 1911, em McAlester, Oklahoma. Faria hoje 100 anos.

O doodle de hoje do Google é uma homenagem a essa a artista norte-americana que introduziu a arte moderna nos estúdios de Walt Disney ao longo de 30 anos.

Com as suas cores imaginativas, Mary Blair inspirou filmes como "Alice no País das Maravilhas", "Cinderela" e parques da Disneylândia. Deu vida a personagens criados por Walt Disney, que gostava muito do toque "infantil" que a artista dava às suas obras.

Falecida em 1978, foi uma das primeiras mulheres distinguida como Disney Legend, em 1991. Também a título póstumo, recebeu o Winsor McCay, prémio da ASIFA-Hollywood em 1996.

Nessun Dorma-Pavarotti,Domingo,Carreras

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

ETA anuncia fim definitivo da luta armada

por:DN.pt- Lusa-Hoje

A ETA, organização terrorista que defende o separatismo basco, anunciou hoje que "decidiu o fim definitivo da sua acção armada", segundo um comunicado divulgado pela edição online do diário Gara.

"A ETA decidiu a cessação definitiva da sua actividade armada", refere o comunicado da organização."

A ETA faz um apelo aos governos de Espanha e França para abrir um processo de diálogo directo que tenha por objectivo a resolução das consequências do conflito e, assim, a superar a confrontação armada. A ETA com esta declaração histórica mostra o seu compromisso claro, firme e definitivo", refere.

No comunicado, a organização considera que "é tempo de olhar o futuro com esperança" e de "actuar com responsabilidade e valentia".

No comunicado, a ETA refere-se directamente à Conferência Internacional que decorreu segunda-feira no País Basco, onde estiveram, entre outros, Kofi Annan e Gerry Adams, que considerou "uma iniciativa de grande transcendência política.

"A resolução reúne os ingredientes para uma solução integral do conflito e conta com o apoio de amplos sectores da sociedade basca e da comunidade internacional", indica, considerando que no País Basco se está a abrir "um novo tempo político".

"Estamos perante uma oportunidade histórica para dar uma solução justa e democrática ao secular conflito político. Contra a violência e a repressão, o diálogo e o acordo devem caracterizar o novo ciclo", sublinha

Na declaração, a ETA considera que o "reconhecimento de Euskal Herria e o respeito pela vontade popular devem prevalecer sobre a imposição", considerando que esse "é o desejo da maioria da cidadania basca".

"A luta de longos anos criou esta oportunidade. Não foi um caminho fácil. A crueza da luta levou muitos companheiros e parceiros para sempre. Outros estão a sofrer o cárcere ou o exílio", sublinha.

"Para eles e elas o nosso reconhecimento e a mais sentida homenagem", refere.

Agora, considera, "o caminho também não será fácil".

"Ante a imposição que ainda perdura, cada passo, cada conquista, será fruto do esforço e da luta da cidadania basca", refere o comunicado.

"Ao longo destes anos Euskal Herria acumulou a experiência e força necessária para enfrentar este caminho e tem também a determinação para o fazer", refere ainda.

Finalmente, a ETA "faz um apelo à sociedade basca para que se implique neste processo de soluções até construir um palco de paz e liberdade".

Ferreira Leite quer orçamento mais justo

por: David Dinis, DN.pt-Hoje

A ex-líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, criticou hoje a opção do Governo por fazer cortes nos subsídios da função pública e pensionistas, afirmando haver ainda "espaço" para tornar o Orçamento de 2012 mais justo e para que "haja um movimento colectivo de aceitação deste orçamento".

Num debate promovido pela Faculdade de Direito da Universidade Católica, a ex-ministra das Finanças sublinhou sempre a situação grave do país e a inexistência de margem para não cumprir as metas orçamentais traçadas pelo Memorando de Entendimento. Mas sublinhou a necessidade de não se condicionar o espaço de debate.

Em cima da mesa ficou uma proposta alternativa aos cortes que considerou socialmente injustos - e que equiparou a um aumento de impostos, como Cavaco Silva no dia anterior. Que proposta? "durante dois, três anos a educação não ser gratuita, sendo paga por quem pode; durante dois, três anos a saúde não ser gratuita, ser paga por quem pode". As medidas seriam temporárias, como os cortes de salários, até porque só assim são aceites pelo Tribunal Constitucional. Mas dariam tempo, alega Ferreira Leite, para "alterar o modelo social" em Portugal. A ideia de que tudo é gratuito acabou", disse, sugerindo ainda que o Governo deve escolher os serviços que o Estado deve e não deve mais fazer, de forma a tornar o Estado sustentável.

A ideia de que o corte proposto é injusto foi contestada no debate por Pires de Lima, empresário e dirigente do CDS. "A alternativa é termos mais impostos", sublinhou, para vincar a ideia de que isso podia "assassinar a economia" e o sector privado.

O debate na Católica foi elevado e trocou vários papéis. Por exemplo também com o ex-ministro socialista Pina Moura a pedir apoio ao ministro das Finanças, que disse estar numa posição muito difícil. Já Basílio Horta, deputado na bancada do PS, juntou-se a Ferreira Leite pedindo outra justiça social no orçamento e mais aposta na economia.

Dirigentes rebeldes líbios confirmam morte de Kadhafi

por:Dn.pt com agências-Hoje

(ACTUALIZADA) O primeiro-ministro do Conselho de Transição (CNT), no poder na Líbia, Mahmud Jibril confirmou hoje a morte do líder deposto Muammar Kadhafi durante combates para a tomada da cidade de Sirte.

"Esperámos por este momento durante muito tempo. Muammar Kadhafi foi morto", disse Jibril durante uma conferência de imprensa em Tripoli.

A morte de Kadhafi tinha já sido anunciada pelo porta-voz oficial do CNT em Benghazi (leste), Abdel Hafez Ghoga. "É um momento histórico, é o fim da tirania e da ditadura. Kadhafi encontrou o seu destino", afirmou Ghoga.

Antes, a estação de televisão Al-Jazeera divulgou um vídeoamador onde se vê o corpo do ditador a ser arrastado pela multidão.

Kadhafi foi detido no seu bastião,em Sirte

DN.pt-Agências-hoje

Mouammar Kadhafi foi capturado avança a agência France Presse citando um comandante da CNT (Conselho Nacional Transitório) e a comunicação social líbia. A SIC Noticias adiantou que Kadhafi foi atingido com tiros nas pernas

O antigo líder líbio Muammar Kadhafi foi capturado em Sirte e está gravemente ferido, afirmou hoje um comandante das forças do Conselho Nacional de Transição (CNT) e uma televisão líbia.

"Kadhafi foi capturado. Ficou gravemente ferido, mas ainda respirava", disse à AFP Mohamed Leith, um dos comandantes de Misrata, a oeste da cidade de Sirte, afirmando que viu Kadhafi com os próprios olhos. Acrescentou que Kadhafi usava um fato beje e um turbante na cabeça.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A prudência e o sentido tático face ao OE 2012

Por estes dias encalorados de Outono, que anunciam preceder um Inverno agreste, e um ano de 2012 de grande penúria, de injustiça social, de enormes sacrifícios e da já apregoada insensibilidade social, será talvez o momento adequado para refletir sobre as elucubrações de natureza política, designadamente as concernentes ao próximo Orçamento de Estado.


Creio,pelos dias recentes,que se terá tornado óbvio que o novel secretário-geral do PS tem vindo a ter razão em não revelar a decisão do GPPS,em matéria de posição de voto no OE,sem previamente o conhecer nos detalhes.

Podendo parecer um “segredo de Polichinelo”, a verdade é que a inteligência tática de António José Seguro se tem vindo a revelar a mais prudente e a mais sensata.

Por um lado, porque é inequívoco que, no caso, estamos perante uma decisão que transcende o PS, seja porque a coligação de direita é dominante no parlamento, seja porque dispõe dos votos mais do que suficientes para, por si só, fazer passar o Orçamento.

Ao que acresce que, lucidamente, e sem tripudiar sobre o acordo firmado entre o anterior governo português, a EU e o FMI, Seguro definiu, na defesa do princípio da precaução que, ao pôr a bom recato a posição de voto do PS em matéria de OE, tal se compagina com a mais firme defesa do rumo tático dos socialistas.

Vale por dizer, que o secretário-geral já asseverou com meridiana clareza, ou de outro modo, deixou entrever que o PS não irá trilhar o caminho do “bota-abaixismo” ou as veredas oportunistas que, no ano anterior, foram os tortuosos trilhos do então líder da oposição e atual 1ºministro.

Poderá dizer-se, como Seguro reiterou, que o PS, se fosse o caso, nunca deixaria que se gerasse um quadro de inviabilidade de um Orçamento sobre o qual o peso dos olhares externos é por demais atento e insistente.

Mas, reconheça-se, a maioria de direita pode querer sublinhar a arrogância e a sobranceria que o último discurso de Passos Coelho tornou evidente, em matéria de falta de sentido responsabilidade.

E nesse caso o PS deverá agir em conformidade, sempre em salvaguarda dos interesses nacionais e da Europa. O mesmo é dizer, discutir aberta e claramente as suas posições, demarcando-se do abismo recessivo e confiscatório que o OE de Passos Coelho anuncia e promete.

Também por isso, o PS e a sua direção devem pugnar, em sede de especialidade, por um Orçamento que se confine às medidas que não avolumem o ciclo recessivo. E que reponha a “equidade fiscal” de que se reclama o PR.

Ou seja, que contrarie a insensibilidade vazada nos desmesurados aumentos do IVA e quejandos, para além do esbulho dos subsídios de férias e natal dos funcionários públicos e pensionistas e que saiba combater as injustiças sociais, fazendo distribuir com mais racionalidade os consabidos sacrifícios.

Osvaldo Castro

(publicado,com adaptações,também,no Jornal de Leiria)

CAVACO DEIXA RECADOS AO GOVERNO

por: DN.pt, Hugo F. Coelho e Lusa/Hoje

O Presidente da República deixou ainda outros avisos ao Governo, alertando para a necessidade de ser crucial que não exista sentimento de injustiça na repartição dos sacrifícios.

Cavaco Silva considerou hoje que a suspensão dos subsídios de férias e de Natal da administração pública e dos pensionistas é "a violação de um princípio básico de equidade fiscal"."

É sabido por todos que a redução dos salários ou pensões a grupos específicos é um imposto. Mudou o Governo, mas eu não mudei de opinião. Já o disse anteriormente e posso dizê-lo outra vez: é a violação de um princípio básico de equidade fiscal", afirmou o chefe de Estado em declarações aos jornalistas à saída da sessão de abertura do IV Congresso Nacional dos Economistas, que decorre em Lisboa.
Questionado se entende que a proposta de suspensão em 2012 e 2013 do pagamento dos subsídios de férias e de Natal aos funcionários públicos e pensionistas é um "ataque" a um grupo específico, o Presidente da República recordou a posição que assumiu quando o anterior Governo liderado por José Sócrates fez um corte nos vencimentos dos funcionários públicos.

"Não estou a dizer-vos nada de novo. Era a posição que eu já tinha quando o anterior Governo fez um corte nos vencimentos dos funcionários públicos. Os livros ensinam-nos quais são os princípios básicos de equidade fiscal e é sabido por todos que estudam esses livros que a regressão de vencimentos ou de pensões a grupos específicos é um imposto", sustentou, insistindo que não muda de opinião "por causa de ter mudado o Governo".

Manifestando o desejo que a Assembleia da República faça um "debate aprofundado" sobre as propostas do Governo para o Orçamento do Estado para 2012, entre as quais está a suspensão e cortes nos subsídios de férias e de Natal, Cavaco lembrou que é ao Governo que cabe elaborar aquele documento e ao Parlamento a sua aprovação. "Vamos esperar pelo debate que agora vai ter lugar no sítio certo, que é a Assembleia da República", acrescentou".

Aurea vence Best Portuguese Act da MTV


Aurea vence Best Portuguese Act da MTV

18.10.2011 - PÚBLICO

Portuguesa poderá representar Europa nos prémios da MTV

Aurea venceu o Best Portuguese Act, dos Prémios MTV EMA (European Music Awards). A cantora, escolhida pelos fãs, que podiam votar no site da MTV, é agora candidata ao prémio Worldwide Act, em competição com artistas escolhidos de outros 22 países onde a MTV tem canais regionais.

Um ano após o lançamento do seu álbum de estreia, homónimo, Aurea, 23 anos, destacou-se num registo soul e blues, tendo alcançado em apenas 4 meses o primeiro lugar do top de vendas nacional com o single "Busy (For Me)". A cantora já é dupla platina em Portugal.

Em comunicado, Aurea agradeceu à MTV a oportunidade e distinção. "Obrigada a todos vocês que me acompanham pela vossa força, dedicação e carinho incondicionais, à minha família e a toda a minha equipa, Rui, João, Ricardo, músicos e técnicos por me aturarem por essa estrada fora e me fazerem sentir sempre em casa onde quer que esteja."

A competir com Aurea estavam os Amor Electro, o DJ Diego Miranda, os Expensive Soul e os The Gift.

Até ao dia 24 de outubro, Aurea vai disputar com os restantes finalistas dos 22 países da Europa onde a MTV está presente, a oportunidade de representar a Europa na categoria Worlwide Act. A votação está a decorrer em www.mtvema.com, online e mobile.

O Worldwide Act pretende celebrar a diversidade e abrangência da música que a MTV tem para oferecer, elevando os MTV EMA a uma dimensão global. No dia 24 serão revelados os finalistas de cada região (Europa, Ásia/ Pacífico, América do Norte, América Latina, Médio Oriente/ Índia/ África).

O grande vencedor será revelado em directo na cerimónia dos MTV EMAs, dia 6 de Novembro, em Belfast.

Segundo o comunicado da MTV, Portugal foi o segundo país europeu a mobilizar mais pessoas para a votação, que somou os 36 milhões de votos.

Nos European Music Awards, atribuídos anualmente desde 1994 e considerados um dos mais importantes prémios europeus da música, Lady Gaga lidera a corrida com seis nomeações, seguida dos norte-americanos Katy Perry e Bruno Mars, com quatro cada um.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Seguro critica obsessão com défice sem medidas para promover crescimento

Por: Agência Lusa, publicado em 18 Out 2011-Ionline

O secretário-geral do PS, António José Seguro, criticou hoje a obsessão com o défice sem medidas que, ao mesmo tempo, promovam o crescimento económica, postura que se aplica tanto a Portugal como à Europa.

"A necessidade de consolidar as contas públicas com medidas de austeridade e com medidas de crescimento da economia é decisivo", afirmou aos jornalistas em Madrid, depois de um encontro com o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero.

"Tenho alertado para essa questão em Portugal. Não acredito que a consolidação das contas públicas, por si só, gere automatismo que impulsione o crescimento económico", sublinhou.

Recusando-se a tecer qualquer comentário à proposta de Orçamento do Estado entregue segunda-feira no Parlamento - explicando que no documento está a ser analisado pelo PS e vai ser alvo de contactos com os parceiros sociais - Seguro considerou "fundamental" agir nos dois temas ao mesmo tempo.

"É fundamental agir nos dois lados, na consolidação das contas publicas por vida de redução de despesa, que gera alguma austeridade, mas também criar condições para que o nosso país e as economias da Europa possam entrar numa trajetória sustentável de crescimento económico.

"Se assim não for não conseguirmos sair desta situação. Veja-se o caso da Grécia. A Grécia entrou numa espiral em que só por via das medidas de austeridade é que se encontrava a solução para resolver o problema e a solução transformou-se num problema", disse.

Este orçamento destina-se a emagrecer as pessoas"

DN.pt-Hoje

O ex-candidato a Presidente da República Manuel Alegre advertiu hoje que o PS não deverá caucionar a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2012, considerando que se está perante uma política contra o país.

"O PS não deve caucionar este Orçamento, porque esta política orçamental não se destina a emagrecer o Estado, mas sim a emagrecer as pessoas", declarou Manuel Alegre à agência Lusa.

Segunda-feira, no final da reunião do Secretariado Nacional do PS, João Ribeiro, porta-voz deste órgão de direcção restrita, disse que os socialistas "mantêm em aberto todas as opções de voto" face à proposta de Orçamento.

Em declarações à agência Lusa, Manuel Alegre, ex-candidato presidencial apoiado por socialistas e Bloco de Esquerda, adiantou que já transmitiu a sua posição pessoal sobre o Orçamento ao secretário-geral do PS, António José Seguro, embora, por enquanto, se recuse a especificar que sentido de voto os socialistas deverão adoptar face à proposta do executivo PSD/CDS.

"Esta proposta de Orçamento do Estado é marcadamente ideológica e visa sobretudo os servidores do Estado. E a pior coisa que se pode fazer é erigir os servidores públicos a bodes expiatórios. Estamos perante um Orçamento contra o país e subserviente à lógica neoliberal dominante", sustentou o membro do Conselho de Estado.

Na perspectiva de Manuel Alegre, a proposta de Orçamento do Governo também "contraria as mais recentes posições do Presidente da República [Cavaco Silva], porque não apresenta uma única linha sobre crescimento económico e criação de emprego".

Maria Rita interpreta "Caminho das Águas" - ao vivo

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

PS: "Parece que estamos a ser cobaias de receitas falhadas"

por:DN.pt- Lusa/Hoje

O PS afirmou hoje que mantém em aberto todas as opções de voto face à proposta de Orçamento do Estado para 2012, mas acusou o Governo de estar a tornar os portugueses "cobaias de experiências falhadas".

A posição dos socialistas sobre a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2012, documento que foi hoje entregue na Assembleia da República, foi transmitida no final da reunião do Secretariado Nacional do PS pelo seu porta-voz, João Ribeiro.

"Todas as soluções que se falam [agora] na União Europeia contrariam este Orçamento e parece que estamos a ser cobaias de receitas falhadas", declarou o porta-voz da direcção do PS, antes de se referir à forma como os socialistas vão tomar a decisão perante a proposta orçamental do Governo.

"O PS é um partido responsável e decidirá o seu sentido de voto estudando a proposta e tendo em atenção o interesse nacional. O PS não cederá a pressões nem a chantagens", disse João Ribeiro, referindo, depois, que na próxima semana a direcção do seu partido encontrar-se-á com os parceiros sociais e, depois, reunirá em Comissão Política Nacional.

"Antes desse processo o PS não divulgará qual a sua posição face ao Orçamento", advertiu o dirigente socialista.

Interrogado se o PS mantém a ideia de que a probabilidade de voto contra o Orçamento é de 0,0001 por cento, o porta-voz do Secretariado Nacional deu a seguinte resposta: "Mantêm-se as três hipóteses [de sentido de voto] em aberto".

"O PS esteve sempre de boa-fé neste processo e a verdade é que só hoje estamos a conhecer todas as dimensões deste Orçamento. É com base na análise de todas as dimensões do Orçamento que o PS formulará a sua decisão política", justificou.

Na sua declaração inicial, João Ribeiro tentou demarcar o PS do caminho escolhido pelo Governo em termos de estratégia orçamental, dizendo que as medidas apresentadas "são violentas e injustas sobretudo para quem vive do trabalho ou das pensões".

"Este Orçamento viola promessa eleitorais. Este primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] foi quem mais informação dispôs sobre a situação orçamental antes de umas eleições, quer aquando da negociação do Orçamento para 2011, quer durante a negociação com a troika", disse o dirigente socialista.

João Ribeiro procurou também vincular o PSD à estratégia e execução orçamental do corrente ano, considerando que é "coautor e coexecutor" da política orçamental em vigor.

"A execução em 2011 já é em maior medida da responsabilidade deste Governo e tem mandato para corrigir desvio à sua execução. O primeiro-ministro está a desculpar-se com o passado para impor as suas ideias sobre a economia e o Estado, tendo em vista enfraquecê-lo", sustentou.

Governo prevê recessão de 2,8% em 2012

por: DN.pt/Hoje

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, afirmou esta tarde, em conferência de imprensa sobre Orçamento de Estado para 2012, que a taxa de desemprego chegará aos 13,4% no próximo ano.

Vítor Gaspar garantiu que "as opção seguidas neste Orçamento de Estado são necessárias para proteger a economia e a sociedade portuguesa contra abismos incalculáveis".

Na conferência de imprensa, o ministro afirmou que "este orçamento é um dos mais exigentes orçamentos do Estado alguma fez elaborados em Portugal", mas realçou que "o esforço do lado da despesa é substancialmente maior que no lado da receita". Vítor Gaspar afirmou ainda que se trata de um conjunto de propostas "transversal" e que "garante a protecção dos mais vulneráveis (quer nas medidas mais gerais, quer nas mais específicas)".

O ministro das Finanças comentou que "2012 aparecerá como antecâmara da recuperação económica" e que Portugal tem de "romper com o hábito do passado de tolerar desvios orçamentais". Isto depois de ter alertado para um desvio de 3400 milhões de euros no orçamento de 2011.

"É indispensável corrigir de forma permanente os desequilíbrios que acumulámos na última década", disse, confessando que o Governo espera uma recessão de 2,8% para o próximo ano, o que, segundo o Diário Económico, será a maior desde 1981. O ministro das Finanças avançou que este ano a recessão deverá ser de 1,9%.

Quanto à taxa de desemprego, Vítor Gaspar admitiu que o Governo espera que chegue aos 13,4% no próximo ano e de 12,5% no final de 2011. "O nível de actividade económica irá recuperar em 2013 e taxa de desemprego começará a descer", afirmou.

Vítor Gaspar enunciou depois algumas das propostas que constam do Orçamento de Estado 2012 (ver site especial sobre o tema)

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, entregou hoje, à 17h00, a proposta de Governo de Orçamento do Estado para 2012 no Parlamento, em conjunto com uma proposta de Orçamento rectificativo para 2011.

As duas propostas foram entregues à presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, em formato digital e em papel, numa reunião que durou aproximadamente 20 minutos.

UGT e CGTP acordaram avançar para greve geral

por: Dn.pt/Lusa/Hoje

As duas centrais sindicais chegaram a acordo e vão convocar para "muito em breve" uma greve geral. Quarta-feira será anunciada a data.

Esta proposta, que ainda vai ter de ser aprovada pelas estruturas dirigentes, foi anunciada por Carvalho da Silva no final da reunião com a delegação da UGT, liderada por João Proença.

O líder da UGT adiantou aos jornalistas, no final da reunião, que a data da greve geral será anunciada na próxima quarta-feira.

A iniciativa de marcar esta reunião surgiu depois de o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ter anunciado na quinta-feira que as medidas do OE2012 visam garantir o cumprimento dos acordos internacionais, e que passam, entre outras, pela eliminação do subsídio de férias e de Natal para os funcionários públicos e reformados que recebem mais de mil euros por mês, enquanto durar o programa de ajustamento financeiro, até ao final de 2013.

Os vencimentos situados entre o salário mínimo e os 1000 euros ficarão sujeitos a uma taxa de redução progressiva, que corresponderá em média a um só destes subsídios.

As pensões acima do salário mínimo e abaixo de mil euros sofrerão, em média, a eliminação de um dos subsídios.

O chefe do Governo afirmou que há um desvio orçamental de 3 mil milhões de euros e anunciou também que o executivo vai reduzir o número de feriados e permitir que as empresas privadas aumentem o horário de trabalho em meia hora por dia, sem remuneração adicional.

A proposta do Governo para o Orçamento do Estado para 2012 deverá ser entregue hoje no Parlamento pelas 17h.

A CGTP e a UGT convocaram pela primeira vez uma greve geral em conjunto em Outubro de 2010, que se concretizou a 24 de Novembro do ano passado.

domingo, 16 de outubro de 2011

Holande ganha PS francês e será o adversário de Sarkozy em 2012

16.10.2011 - 19:29 Por: Isabel Gorjão Santos,Público online, com agências

Os primeiros resultados divulgados deram-lhe 56,5%, pouco depois Martine Aubry reconheceu a derrota. François Hollande será o candidato do PS francês às eleições do próximo ano.

Não é uma vitória inesperada, que as sondagens já lhe tinham dado alguma vantagem. Hollande, de 57 anos, ganhou neste domingo a segunda volta das eleições para escolher o candidato socialista que irá disputar as presidenciais francesas previstas para Abril ou Maio do próximo ano. Irá procurar derrotar o actual Presidente, Nicolas Sarkozy.
Pouco depois de terem sido divulgados os primeiros resultados parciais – 56,5% para Hollande e 43,5% para Aubry – a candidata reconheceu a derrota. “Saúdo calorosamente a vitória de François Hollande, o nosso candidato para as presidenciais de 2012”, disse. “É hora de nos juntarmos em torno do nosso candidato”.
Hollande estava à frente nas sondagens para as eleições deste domingo, umas primárias ao estilo americano em que os socialistas ou simpatizantes do partido puderam escolher o seu candidato e nas quais participaram cerca de três milhões de eleitores. A vantagem para Hollande era de 13% quando estavam contados cerca de 486 mil boletins de voto.
Vencedor da primeira volta das eleições com 39,2% contra 30,4% para Aubry, Hollande nunca participou em qualquer governo e tem sido acusado pela sua falta de experiência governativa, mas liderou o Partido Socialista francês entre 1997 e 2008 e é deputado desde 1988. Já Aubry, filha de Jacques Delors, foi ministra do Trabalho de Lionel Jospin, entre 1997 e 2000, está à frente da câmara de Lille desde 2001 e é secretária do PS desde 2008.
Apesar de Aubry ter sido apontada como vencedora de um debate que ocorreu quarta-feira, as sondagens deram Hollande como o favorito, embora por margem reduzida: 53% contra 47%, segundo um estudo do OpinionWay Fiducial para o jornal “Fígaro” e a cadeia LCI. Mas apesar de os resultados definitivos não terem sido ainda divulgados, prevê-se que Hollande vença por uma margem superior.

Caminhos do Outono

Por:David Walter